RoB lança “Nada Lá Fora”

RoB lança “Nada Lá Fora”

“Nada Lá Fora”, single que a cantora pernambucana RoB lança nesta sexta nos aplicativos de música, surgiu de uma jam minimalista sobre dois acordes e uma levada de reggae bem arrastada. Depois, o beat dobrou de tempo e a música desaguou numa pegada disco music, com direito a uma cama de um quarteto de cordas.

RoB lança “Nada Lá Fora”
RoB

A faixa composta pela própria artista, produzida por William Paiva e cantada em inglês e português, tem tudo a ver com o momento que a humanidade está passando. Um videoclipe todo feito durante o lockdown, dirigido também por William Paiva, impressiona com  luzes, texturas e uma direção de arte caprichada. 

“Estamos isolados, mas ao mesmo tempo ligados virtualmente em tudo que acontece lá fora. Esta track é um convite a uma parada, a um olhar para dentro, a ouvir o nosso coração, inclusive literalmente”,  afirma RoB. “Diria que meu som é um eletrônico tropical com influências da música jamaicana, mas acho muito difícil definir, especialmente um produto vivo, que é fruto de tantas referências e experiências. Uma coisa é certa, minha música é criada e produzida seguindo os impulsos. Criar será sempre um espaço de experimentação para mim e a melhor onda do meu som é inspirar e elevar o espírito”, acredita. 

Para ela, a música tem o poder de fazer com que cada pessoa crie suas próprias imagens e não precisam necessariamente vir acompanhadas de videos.  “No entanto, sou também designer e acho minhas composições muito visuais. As letras me pedem para representá-las visualmente, mesmo que de uma forma subjetiva, além disso, criar peças audiovisuais é algo que eu amo. Gosto do processo, do resultado, gosto de trabalhar nas diferentes ideias. E acho que para quem está conhecendo a música e a artista, o clipe é uma forma importante de aproximação”, opina.

RoB gosta de coisas frescas, que carregam consigo aquele impulso inicial da criação. Seu som pode te fazer dançar, mas não te obriga a isso. Normalmente traz delays e reverbs presentes no dub com leves pitadas de psicodelia. As andanças por Pernambuco e Califórnia, onde viveu por 4 anos, traz uma mistura autêntica e gostosa para curtir um pôr do sol, bebendo aquele drink com os amigos. Suas principais referências vão de Radiohead a Luiz Gonzaga, passando por Laurin Hill, Clara Nunes, Stevie Wonder, Bob Marley, entre outros nomes, principalmente da música jamaicana. 

Cantora desde menina, montou em 2009 o King Size, um soundsystem que misturava roots reggae com sintetizadores e muita fumaça. A banda desligou, RoB seguiu. Estudou canto, interpretação, separou um repertório com todo carinho e subiu no palco de novo. Dessa vez, sozinha. Agora ela se prepara para lançar seu primeiro  álbum.  Tanto o single como o clipe servem como comprovação de que muita coisa boa está por vir.

>>> Curta o PFBR no Facebook

Siga o PFBR no Twitter <<<