REVIEW: pior álbum da carreira, sonoridade surpreendente e estreia extraordinária são os destaques dessa semana

Que semana agitada na música pop mundial e, ainda bem, cheia de lançamentos incríveis e poderosos. No Brasil os novos álbuns são destaques e grandemente maravilhosos. Já no exterior, tivemos lançamentos ruins, bons, fracos e fortes, para todos os gostos. Qual o seu favorito da semana? Me conta lá nas nossas redes sociais porque eu adoro saber a opinião de vocês também.

O grande lançamento da semana ficou por conta de Jão e seu terceiro álbum de estúdio, “PIRATA”. Quem também merece seu cantinho aqui na introdução é a campeã do “The Masked Singer Brasil”, Priscilla Alcantara, que lançou seu primeiro álbum pop. Na gringa, O álbum de CL e a parceria entre Sean Paul e Sia merecem atenção redobrada da galera. Já Lana Del Rey… bom, você confere mais abaixo o que eu achei desse lançamento.

Jão – PIRATA

O pop nacional está em uma de suas melhores fases, falo isso tranquilamente, e Jão é um dos grandes representantes de música de qualidade que temos. Em todas suas eras o cantor entregou um conceito tão bem pensado e amarrado que nos fez viajar em suas histórias de sofrência. Obviamente, com “PIRATA” não foi diferente. Minha única reclamação é não ter “AMOR PIRATA” na tracklist, mesmo eu entendendo o motivo, senti falta.

Imagem
Cena do videoclipe de “Não Te Amo” (Foto: Reprodução/Divulgação)

Depois do seu álbum mais sofredor e também meu favorito, “ANTI-HERÓI”, agora é a vez de falar do pós-término, superações ou não, aquelas lembranças que insistem em permanecer na nossa cabeça e que nem sempre são negativas. A sonoridade chamou a atenção, com Jão mesclando melancolia e melodias dançantes, com aquela pitada de techno e algumas produções próprias, como no caso de “Olhos Vermelhos“, uma faixa escrita e produzida pelo cantor e com uma das letras mais fortes e tocantes de todo o álbum.

Coringa“, primeiro single da era, segue sendo uma ótima escolha para dar o pontapé inicial, sendo a faixa mais pop e mainstream. “Não Te Amo“, que ganhou um clipe belíssimo, tem uma das frases mais marcantes de todo o álbum: “eu juro, eu não te amo, eu só bebi demais“. “Idiota” tem uma das melodias pop mais viciantes, fazendo cantar o refrão em coro logo na primeira vez. “Meninos e Meninas” tem uma estética adolescente e fala sobre a bissexualidade do cantor, de uma forma incrível e poética. Embora as faixas funcionem isoladamente, o interessante é viver a experiência do álbum como um todo, sem pular nenhuma música, e sentir a história que o Jão quer contar.

Lana Del Rey – Blue Banisters

Sem emoção e cansativo, são duas ótimas palavras para descrever o pior álbum da carreira de Lana Del Rey. Sem Jack Antonoff, finalmente, o projeto parece uma cópia mal feita dos seus últimos trabalhos. Na verdade, “Blue Banisters” pode ser descrito como um álbum de descartes, com melodias mornas e músicas que passam despercebidas em uma hora de álbum. Uma péssima escolha esse lançamento, ainda mais depois do incrível “Chemtrails Over the Country Club” no início do ano.

lana del rey hq ? on Twitter: "Lana Del Rey - Blue Banisters… "
Uma das imagens usadas como capa alternativa do álbum, no caso a melhor (Foto: Divulgação/Reprodução)

Com exceção de “Dealer“, que é horrível e chega a doer os ouvidos, as outras são audíveis, mas quase todas bem abaixo do que a cantora é capaz de entregar. “Beautiful” é uma faixa incrível e deliciosa de se escutar, e “Thunder” é outra faixa maravilhosamente bem produzida, fechando os maiores destaques. A sequencia após o interlude também é um pouco interessante – “Interlude – The Trio“, “If You Lie Down with Me” e “Black Bathing Suit“.

Entre as já lançadas previamente, “Arcadia” é a melhor, embora tenha um refrão um pouco irritante, e a faixa-título consegue chamar a atenção, mas nada fora do normal. “Wildflower Wildfire” segue sendo a pior dentre as quatro, podendo ser facilmente descartada do projeto.

Priscilla Alcantara – Você Aprendeu a Amar?

Uma das maiores vozes da música brasileira atualmente mergulhou de cabeça no pop e cravou seu nome como futuro promissor no gênero. Com seu álbum de estreia fora da música gospel, Priscilla Alcantara trouxe letras românticas, algumas reflexões e batidas marcantes, dançantes, envolventes e bem diversificadas.

Priscilla Alcantara explora novos temas e sonoridades no "Você Aprendeu a  Amar?"; ouça! - Poltrona Vip
Photoshoot impecável da era “Você Aprendeu a Amar?” (Foto: Reprodução/Instagram)

Algumas músicas já eram conhecidas do público por fazer parte do ótimo EP “Tem Dias”. Entre essas quatro, a própria “Tem Dias” e “Boyzinho” são grandes destaques do álbum, sendo a primeira a minha maior surpresa atualmente. Além de produtor do projeto, Lucas Silveira, da banda Fresno, está presente na faixa “Eu Não Sou Pra Você“, com uma das letras mais fortes e tocantes do álbum.

Entre as inéditas, “Oceano” se destaca como a melhor música, entregando letra madura e romântica, melodia crescente e ainda uma voz angelical da cantora. Como uma boa pop perfection, no melhor estilo Carly Rae Jepsen, “Você É Um Perigo” é super dançante, envolvente e ainda possui uma ponte que corta o clima e traz uma estética rapper para a faixa. Sigo curioso pela parceria com Emicida e espero que não faça igual a Luísa Sonza e suma com a música. Brincadeira, amo a Lu e sigo ansioso também pelas faixas.

CL – ALPHA

Após muitos singles bons e algumas escolhas duvidosa, finalmente, o álbum de estreia de CL foi lançado. Como já era de se esperar, o projeto está com uma super produção, um mix de sonoridade, boa música e algumas faixas descartáveis, mas nada para se desesperar.

Imagem
Cena do videoclipe de “Lover Like Me”, um dos singles da era “ALPHA” (Foto: Reprodução/Divulgação)

ALPHA“, nome que tem tudo a ver com o momento da carreira da coreana, possui 11 faixas, das quais duas poderiam ter ficado de fora: “Chuck“, por ser sem graça e esquecível, e “Tie a Cherry“, a pior faixa de todas. A maioria das músicas lançadas previamente são ótimas, com “Lover Like Me” e “5 STAR” como os grandes destaques. Eu até elegi a primeira como o melhor lançamento em sua semana de estreia, mas a coluna não foi ao ar.

Dentre as novidades, “Let It” e “My Way” são incríveis e viciantes, podendo facilmente serem colocadas entre as melhores de todo o álbum. “Siren“, uma faixa romântica e mais calma também chama muita atenção no decorrer do “ALPHA”. Um ótimo álbum para quem gosta de pop e hip hop, mas nada muito marcante como projeto completo.

Christina Aguilera, Becky G, Nicki Nicole – Pa Mis Muchachas (feat. Nathy Peluso)

Uma das maiores vozes do pop retornou e cumprindo a promessa de lançar seu novo projeto latino. Embora uma das minha música favoritas da Xtina esteja justamente no “Mi reflejo”, não acho o álbum em si algo tão atraente. Sinto que seu sucessor seguirá pelo mesmo caminho, baseado nesse novo lançamento.

Imagem
Cena do belíssimo clipe de “Pa Mis Muchachas” (Foto: Reprodução/Divulgação)

Com um time de divas latinas, “Pa Mis Muchachas” é contagiante, tem uma melodia que embala e acaba agradando, muito dramática sonoramente, mas no fim é apenas uma faixa qualquer em espanhol. Achei o pré-refrão e o próprio refrão muito bem trabalhados, com uma estética latina clássica, cubana. Particularmente falando, eu prefiro a Aguilera no pop americano, mas estou de braços abertos e animado por essa era.

DJ Snake, Ozuna, Megan Thee Stallion & LISA SG

Pensei que teríamos a nova “Taki Taki”, mas “SG” já parece estar seguindo um caminho completamente contrário ao da antecessora. Enquanto a parceria com Cardi B e Selena Gomez estreou pessimamente para mim e foi crescendo ao longo dos meses, essa novidade foi maravilhosa na primeira vez que escutei e agora já estou achando cansativa.

Watch: BLACKPINK's Lisa Jams Out With Megan Thee Stallion, DJ Snake, And  Ozuna In “SG” Collab MV | Soompi
Cena do videoclipe de “SG” (Foto: Divulgação/Reprodução)

Ozuna é um grande cantor latino e dono de hits marcantes, mas confesso que não curti a forma que a música foi dividida entre os artistas. Enquanto o porto-riquenho canta praticamente toda a música, Megan Thee Stallion ficou com um verso relâmpago, que se tornou esquecido no meio da música. Já Lisa foi o grande trunfo da mega parceria, com um verso legal e uma versão em inglês do refrão, ganhando mais tempo de música que a rapper e consequentemente se destacando mais. A música gruda na cabeça, tem uma batida legal, mas parece que não vingará para mim, no máximo as partes da integrante do BLACKPINK em loop.

Swedish House Mafia & The Weeknd – Moth To A Flame

The Weeknd vem em uma onda de grandes sucessos e músicas realmente muito marcantes, difícil da noite para o dia o cantor lançar uma grande bomba. Por isso, “Moth To A Flame” é uma ótima faixa, parceria incrível com o Swedish House Mafia.

Listen: Swedish House Mafia, The Weeknd 'Moth To A Flame'
(Foto: Alexander Wessely/Divulgação)

A sonoridade lembra um pouco o que o canadense já vem trazendo nas suas últimas era, com aquela estética retrô, dançante e bem classuda. Embora o single seja uma delícia de se escutar, não foi um lançamento que me marcou tanto e nem que me faça querer ouvir no repeat, como no caso de “Take My Breath”.

Sean Paul – Dynamite (feat. Sia)

Eu estava precisando de uma parceria entre Sean Paul e Sia e graças a tudo que há de mais sagrado, ela rolou e deu certo. A cantora estava em uma onda bem sem graça de lançamentos, finalmente uma múisca muito boa, com essa voz deliciosa dela e um refrão viciante para nós.

Sia é avó - POPline
(Foto: Divulgação/Reprodução)

Sean Paul parece que resiste à todas as mudanças de mercado, mas nunca satura. Ok, ele já lançou diversas músicas sem graça, mas quando ele quer, o hit vem pronto. Batida clássica do cantor, letra repetitiva para entrar na cabeça, Sia de antigamente mais viva do que nunca e agora só falta chegar o calor aqui em São Paulo para curtir essa música na praia ou na piscina.

>>> Curta o PFBR no Facebook

>>> Agora no @oficialpfbr

Carregar mais tweets