Anitta revolucionou a música brasileira?

Anitta revolucionou a música brasileira?

Cantora, atriz, compositora, produtora, empresária e apresentadora. Para que um artista “revolucione” seu meio, é necessário que ele não tenha medo de arriscar e esteja o máximo envolvido com seu trabalho, seja na composição ou até mesmo na montagem do palco de sua turnê. Com as profissões citadas no início da matéria, já dá pra imaginar o motivo pelo qual o trabalho da diva deu e continua dando tão certo.

Hoje, resolvemos fazer um especial que demonstra fases na carreira de Anitta e resta-nos que você nos ajude a responder se a poderosa é — ou não — a grande responsável por revolucionar a nossa forma de consumir música. Vamos lá?

A expectativa começa em “Show das Poderosas”

Para um público que estava acostumado a consumir artistas sertanejos, que suas produções visuais eram basicamente “álbuns ao vivo”, o trabalho de Anitta de revolucionar o pop já trazia uma grande expectativa, pois apenas artistas internacionais vinham com o conceito que a poderosa queria instalar em sua carreira: singles, disco, divulgações estratégicas e turnê.

Lançada em 16 de abril de 2013 e sendo uma das músicas mais consumidas do ano, a intérprete nos apresenta “Show das Poderosas”. Como explicamos, com a explosão nacional de um fenômeno, surge a necessidade e expectativa de estar sempre se superando. Três meses depois, o videoclipe de “Não Para” mostra que a musa estava vindo pra ficar — e não era indireta, não — estava na letra da música: “Viu, eu vim pra ficar! Abre pra eu passar… Vai ter que respeitar”,

Com “Show das Poderosas”, a carioca ganha o título de 1° cantora brasileira a atingir 100 milhões de visualizações no Youtube com uma produção audiovisual. Tá bom pra fechar o single ou ainda quer mais?

Consolidar-se no mercado brasileiro é fundamental

A cantora foi e continua sendo esperta, ou melhor dizendo, estratégica. Ela tinha a noção que os números brasileiros são enormes e é necessário consolidar-se neles antes de tentar qualquer outra coisa. Ciente disso, tivemos os hits em sequência: “Zen”, “Blá Blá Blá”, “Cobertor”, “Na Batida”, “Ritmo Perfeito” e “No Meu Talento”.

Lançando clipes, performances em programas de TV, participações especiais em emissoras, Anitta dava espaço para que outros artistas com o mesmo ritmo invadissem o cenário musical, ainda que não diretamente por ela, mas a “porta” já estava aberta, porque havia dado certo devido a consistência que seu trabalho cresceu.

O álbum “Ritmo Perfeito” trazia os últimos nuances da cantora no funk, até aquele momento. Era necessário deixar um pouquinho sua raiz para dedicar-se ao trabalho que a consolidaria como a maior artista pop do país na era “Bang”. O novo trabalho da poderosa em estúdio foi quase todo pop, trazendo apenas algumas faixas com batidas que assemelhavam ao estilo funk.

Hoje eu quero e você sabe que eu gosto assim…

Sendo a foi a sétima música de Anitta a ficar no topo do iTunes Brasil, Anitta preparava o terreno da era “Bang” com o lançamento de “Deixa Ele Sofrer”. Em uma parceria com a Tang, a diva nos relembra como é divertido assistir a um clipe sem cortes, em sequência. O “tiro certo em você” aconteceu em outubro de 2015, com o lançamento da icônica “Bang”.

Anitta nos traz a proposta de um álbum com o conceito de uma era. Haviam fotos para o disco que provavam isso, clipes bem elaborados e uma logística de carreira a nível internacional. Em “vídeos reacts” da canção, os norte-americanos sempre citavam que “já tinham visto algo parecido”, devido tamanho conceito internacional ter sido trabalhado naquele material.

“O que mais gostei no clipe é que foi inovador, diferente. Acho que as pessoas vão se surpreender mais uma vez, que mais uma vez não esperavam pelo que vão ver. O clipe é bem parecido com as fotos do álbum, tem muita sensualidade e animação, bem divertido. Nos outros clipes, eu sempre dirigia e roteirizava junto, mas dessa vez fechei o olho e me joguei nas ideias do Giovanni Bianco”, declara sobre a criação artevisual de “Bang”.

“Essa Mina É Louca” e “Cravo e Canela” encerram os trabalhos do disco. Com o objetivo de se manter sempre em alta no mercado, a diva iniciava então o processo de parceria com outros artistas: “Loka” ao lado de Simone e Simaria e a lendária “Sim Ou Não”, junto com o colombiano Maluma. Anitta não só reinstalou a cultura do reggaeton no Brasil, como trouxe também uma língua estrangeira, quase que forçando todas as rádios do Brasil a se renderem aos desejos da artista. Afinal, não tocar a maior artista daquela época em suas programações chegava a ser uma grande auto-sabotagem. Esta era a segunda grande colaboração internacional de Anitta, antecedida por “Ginza (Remix), de J Balvin. “Você Partiu Meu Coração” e “Switch” com a rapper australiana Iggy Azalea fazem da musa a principal artista do cenário musical daquela época.

A construção de uma carreira internacional e a revolução do pop nacional

Estrategicamente falando, o começo da carreira internacional de Anitta é um pouco diferente da brasileira. Devidamente aconselhada, a intérprete de “Bang” faz a aposta que a maioria dos artistas latinos estão acostumados: single após single. É o que vemos com J Balvin, Maluma, Becky G e diversos outros artistas do mesmo meio.

É errado dizer que a poderosa está consolidada no ramo internacional, pois lá fora, como Anitta, existem centenas de cantores. O que podemos concluir é que a diva revolucionou nossa maneira de consumir música e agora tenta brilhar seu nome lá fora. Achamos que a brasileira está “desgastando” sua imagem, que ela precisa de um descanso, que o famigerado “comeback” é essencial, mas é importante lembrar que a carreira da malandra sempre foi consumida de perto, junto dos holofotes. Ela cresceu na imprensa com seu trabalho — isso não é um ponto negativo — significa que sua obra sempre será falada, seja artisticamente falando ou simplesmente sobre sua vida pessoal.

Juntando todo o conteúdo do nosso especial, é sua vez de opinar: Anitta revolucionou o pop brasileiro? Corre pras redes sociais do Portal Famosos Brasil e comenta muito por lá, queremos saber tudo que você acha sobre a carreira da diva. Esperamos por você! PRE-PA-RA!!

>>> Curta o PFBR no Facebook

Siga o PFBR no Twitter <<<