Donald Trump critica discurso de Meryl Streep no "Globo de Ouro" em entrevista e redes sociais

Na noite de domingo (08), Meryl Streep  foi homenageada no “Globo de Ouro” recebendo o prêmio Cecil B. DeMille pelo conjunto da obra, e protagonizou um dos discursos mais falados da premiação. Em seu discurso, aproveitou a exposição para falar de desrespeito, violência e a xenofobia, alfinetando diretamente o atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que resolveu se justificar e retribuir com ataques a atriz.

Em uma entrevista pelo telefone, Trump revelou ao “The New York Times“, que não tinha visto o discurso da atriz e nem outros momentos da cerimonia, mas completou que não se surpreende por ser atacado por “liberais do cinema”.

Em seu Twitter, fez questão de comentar a “afronta” de Stripp chamando-a de “laica de Hillary [Clinton]“.

Meryl Streep, uma das atrizes mais superestimadas de Hollywood, não me conhece mas me atacou ontem à noite no Globo de Ouro. Ela é uma lacaia de Hillary, que perdeu feio“, escreveu ele na rede social.

No discurso, a atriz também ressaltou com extrema reprovação, uma imitação que Donald fez de um jornalista com uma doença congênita durante um de seus discursos de campanha em novembro do ano passado. O atual presidente ridicularizou Serge Kovaleski – o repórter do Times que o contestou em relação as alegações de Trump contra muçulmanos – falando com expressões fortes e agitando os braços, claramente debochando do jornalista, que sofre de artrogripose, condição que afeta as articulações.

A atriz afirmou após celebrar a tamanha diversidade entre os atores de Hollywood, que em sua maioria, são estrangeiros de várias partes do mundo: “O único trabalho de um ator é entrar na vida das pessoas que são diferentes de nós, e fazer você sentir como é isso. E há muitas, muitas, muitas atuações poderosas este ano que fizeram exatamente isso. Um trabalho sensível e de tirar o fôlego”.

Em seguida, criticou a posição desrespeitosa do presidente: “Mas teve uma atuação este ano que me aturdiu. Ela afundou seus ganchos em meu coração. Não porque era boa; não havia nada de bom sobre ela. Mas foi efetiva e fez seu trabalho. Fez seu público-alvo rir, e mostrar suas presas. Foi esse momento quando a pessoa pedindo para sentar no mais respeitado lugar do nosso país imitou um repórter com deficiência [nas articulações]. Alguém que ele superou em privilégio, poder e capacidade de lutar. Meio que quebrou meu coração quando eu vi, e ainda não consigo tirar da minha cabeça, porque não foi em um filme. Foi na vida real. E este instinto para humilhar, quando é modelado por alguém na plataforma pública, por alguém poderoso, se espalha pela vida de todos, porque meio que dá permissão para que outras pessoas façam o mesmo. Desrespeito convida desrespeito, violência incita violência. E quando os poderosos usam suas posições para humilhar os outros, todos nós perdemos.”

Trump ainda tentou se esquivar das criticas de Meryl: “Pela 100ª vez, eu nunca ‘caçoei’ de um repórter com deficiência (nunca faria isso) mas simplesmente mostrei como ele ‘rastejou’ quando mudou totalmente uma história que ele tinha escrito há 16 anos para me fazer ficar mal. Mais da mídia desonesta!

Houve grande repercussão nas redes, e os apoiadores do presidente subiram a hashtag #MerylStreepRant para criticar o posicionamento da atriz, enquanto os defensores dela, compartilharam seu discurso inúmeras vezes reprovando o discurso de Trump.

>>> Curta o PFBR no Facebook

>>> Agora no @oficialpfbr

Carregar mais tweets