"Aprendi com a dor": AHS inspirou Lady Gaga para trabalhar em seu novo álbum

Chegando em 2016 muitos fãs de Lady Gaga já aguardam com ansiedade o lançamento do quinto disco de estúdio dela, mesmo sem confirmações de de que o álbum seja lançado nos próximos meses. Porém, é certo que a cantora está trabalhando firme nele, junto de outros projetos.

E em entrevista para a nova edição da “V Magazine” ela foi direta ao revelar que “American Horror Story” e sua atuação na quinta temporada do seriado “abriu portas” para que se polisse como uma cantora e também uma intérprete de suas próprias faixas.

A entrevista foi feita por James Franco e ao ser questionada, ela foi direta ao ponto, ainda explicando que o #LG5 será muito mais que apenas dor ou sofrimento, com o desenvolvimento de uma técnica que mistura escrever faixas e atuar nelas, pretendendo se envolver ainda mais no projeto.

Link permanente da imagem incorporada

“Eu compus muitas canções no ano passado. ‘American Horror Story’ afetou a minha voz”, diz ela. Quando questionada sobre o porque, Gaga responde: “Eu estou usando mais a fórmula de atuar em minhas canções a partir disso, é algo crucial, estamos falando de música. Quem sabia que se podia ouvir ainda mais? É incrível até mesmo para falar. Há uma enorme liberdade e uma imprudência na técnica, mas representa algo sofisticado. É um tipo de liberdade mais chique. Quando eu não estava na série eu era miserável porque eu não tinha um lugar seguro para libertar qualquer um dos meus vícios. Agora eu tenho um lugar seguro para os meus vícios, então quando eu estou fazendo música eu tenho muito mais clareza. Estou menos imprudente com a minha música, porque agora eu sou imprudente em outros lugares, é como um instinto.”

E continuou:

“Então agora eu estou pensando mais sobre o que é que eu quero dizer e o que eu quero deixar como legado na Terra. Não é algo como a expressão da minha dor. Haverá um pouco da minha dor no álbum, com certeza, mas será mais do que isso. Meu último disco estava cheio de uma tonelada de dor. O disco todo. É quase como se você não poderia mesmo chegar ao que é. Agora, a série me dá uma saída para colocar as coisas em algum lugar, então quando eu chegar até o piano eu já estou em um lugar mais profundo do que antes. Eu tenho algo completamente diferente para explorar.”