Uma Thurman fala novamente sobre os assédios sexuais cometidos por Weinstein e revela abusos de Tarantino

Uma Thurman finalmente esteve pronta para denunciar. A estrela de grandes produções assinadas por Quentin Tarantino, como “Pulp Fiction” e “Kill Bill” 1 e 2, declarou que “estava esperando se sentir menos nervosa” antes de falar novamente as acusações de assédio contra Harvey Weinstein. Em uma nova entrevista para o The New York Times, Thurman detalha a afirmação da agressão sexual causada por Weinstein, magnata conhecido em Hollywood e agora expulso da próxima produção do diretor.

“O sentimento complicado que eu tenho por Harvey é horrível justamente por eu sentir todas as mulheres que foram atacadas depois de mim. Eu sou uma das razões pelas quais uma jovem entraria no quarto dele sozinha, da maneira que eu fiz. Quentin usou Harvey como o produtor executivo de “Kill Bill”, um filme que simboliza o empoderamento feminino. E todos esses cordeiros entraram no matadouro, porque eles estavam convencidos de que ninguém se levaria a uma posição que faria algo ilegal contra você, mas eles fazem.” declarou a atriz. 

Depois de detalhar um assédio anterior, quando foi atacada sexualmente por um ator sem nome revelado em Nova York, quando tinha apenas 16 anos, Thurman falou da ocasião onde Weinstein a levou para a saúna de um hotel em Paris, depois de já ter tirado o roupão de banho, quando na verdade eles deveriam apenas discutir sobre um roteiro.

Ilona Herman, maquiadora de Robert DeNiro e amiga de Uma Thurman, disse ao jornal  “The Times” que estava presente no hotel no momento do confronto. Ela afirma que Thurman revelou em um passeio de táxi que Weinstein ameaçou acabar com a sua carreira caso ela o denunciasse.

Questionado pela Entertainment Weekly, um porta-voz de Harvey Weinstein assumiu que o produtor teria realizado “um movimento estranho” com a atriz no caso citado acima, em Paris, mas que o fato se deve a uma má interpretação de alguns “sinais” emitidos pela atriz. O advogado de Weinstein também já veio a público para declarar que uma ação legal será movida contra Uma, sobre as acusações de assédio sexual que o produtor até agora nega e declara serem falsas.

Em entrevista ao The Times, Uma Thurman alega ter contado sobre o assédio para o diretor, Tarantino, o que acabou afetando o seu relacionamento com o diretor. A atriz alega que nos últimos dias de filmagens de “Kill Bill 1”, na sua famosa cena onde Beatrix medita sobre matar Bill enquanto dirige por uma longa estrada, ela foi obrigada a dirigir um veículo que ela já havia avisado ser completamente instável, o que acabou ocasionando um acidente onde o veículo caiu em uma árvore:

“Eu sentia uma dor devastadora e pensei: ‘Oh meu Deus, eu nunca mais irei andar’. Quando voltei do hospital com cinta ortopédica, joelhos machucados e uma grande concussão, eu queria ver o carro e estava muito chateada. Quentin e eu tivemos uma briga enorme, eu o acusei de tentar me matar. E ele estava muito irritado com isso acho, compreensivelmente, porque ele não sentiu que ele tentara me matar.”