Tod+s por um mundo melhor: movimento do Rock In Rio inspira inclusão e diversidade, confira

O Portal Famosos Brasil esteve presente na primeira edição do movimento do Rock In Rio que visa buscar cada vez mais a inclusão, a diversidade e também o cuidado com o meio ambiente.

Fomos convidados para o “Tod+s por um mundo melhor”, onde uma das idealizadoras do evento, Roberta Medina, falou sobre a importância da preservação do meio ambiente como um todo e como o Rock In Rio 2019 vai se posicionar em uma das pautas mais importantes da atualidade. Em 2013, o Rock in Rio recebeu a primeira certificação na América Latina na norma internacional ISO 20121, certificação que reconhece uma gestão sustentável e o seu compromisso com a construção de um mundo melhor, assumindo a responsabilidade dos seus impactos, minimizando os negativos e potenciando os positivos. Só durante o Rock In Rio, mas de 73 milhões de arvores foram restauradas, sem falar que grande parte do material utilizado no espetáculo poderá ser aproveitado por outros parceiros, empresas e instituições.

O Rock In Rio 2019 realizará leilões de instrumentos e itens exclusivos autografados e utilizados por Lulu Santos, Maroon 5 e System of a Down e a cada R$ 4,50 gastos no leilão, uma árvore será plantada

A Pegada Carbônica

Desde 2006, o Rock in Rio calcula a pegada carbônica, associada à realização do festival, na conta do Rock in Rio, auditada por uma consultora independente. Entram desde emissões geradas pela deslocação de bandas, público e mercadorias e a energia gasta na produção do evento até o consumo de energia gasta no tratamento de resíduos gerados durante o festival, incluindo montagem e desmontagem.

Até 2016, 118 mil árvores foram plantadas para compensar as emissões geradas pelo Rock in Rio. Até agora já foram recuperados 43 hectares de floresta que ardeu. Adicionalmente, o Rock in Rio in Rio já financiou projetos de melhoria de condições ambientais de indústrias no Brasil. (Texto: Rock In Rio)

Tod+s por um mundo mais bonito: Rock In Rio e Natura

Um dos momentos especiais do evento foi a união do Rock In Rio com a Natura, reconectando pessoas e ideias através do poder da música.

A inclusão da favela e da periferia

Um dos momentos mais emocionantes foi no momento onde Roberta Medina falou da inclusão das comunidades no Rock In Rio 2017, onde foram disponibilizados mais de 3000 ingressos gratuitos, porém muito poucos foram resgatados.

A frente do evento, Roberta quis saber o motivo pleos jovens não terem aceito os ingressos e eles responderam que achavam que não tinha possibilidades de eles estarem em um evento como o Rock In Rio. Podemos perceber que não era a questão financeira, mas também a social que impedia pessoas da periferia e da comunidade de participar do maior espetáculo da música no mundo, com isso, houve a inclusão do Espaço Favela, onde acontecerá a inclusão do funk, do rap e de tantos outros gêneros que nasceram na periferia carioca.

Neste ano também, o RIR 2019 contará com um concurso entre as escolas da rede pública, em parceria com as secretarias Estadual e Municipal de Educação. Em rede educacional, o alunos com as melhores redações, serão contemplados com 250 ingressos duplos, contabilizando um total de mil convites para acompanhar o a 20º edição do espetáculo.

A primeira edição do movimento contou também com artistas como o atores Thiago Lacerda, Ricky Tavares e Juliana Xavier, além das presenças de Lelezinha, do Dream Team do Passinho, Tico Santa Cruz e Toni Garrido.

O impacto do Rock In Rio na nossa economia

A cada ano Rock In Rio vem impulsionando cada vez mais a economia do nosso país de forma positiva, gerando mais de 25 mil empregos, um impacto de 1,4 bilhão na nossa economia, contando também com a presença de mais de 400 mil turistas.

Gravamos com a Roberta Medina, produtora do evento sobre a o projeto , confira: