Sam Smith pagou mico ao vivo: ele NÃO é o primeiro cara abertamente gay a ganhar um Oscar

Parece que Sam Smith não fez a lição de casa.

Ao ser chamado no palco para receber o prêmio de Melhor Canção Original por Writing’s On The Wall, tema de 007 Contra Spectre, o mais recente filme de James Bond, o cantor de R&B e pop britânico, que definiu sua performance na noite como “o pior momento de sua vida”, dedicou a conquista à população LGBT e orgulhosamente se posicionou que era o primeiro gay “fora do armário” a ganhar um Oscar:

“Há alguns meses atrás eu li um artigo de Sir Ian McKellen em que ele disse que nenhum homem abertamente gay, e se for o caso, e mesmo que não seja, eu gostaria de dedicar isto à toda a comunidade LGBT e todo o mundo”, enunciou Sam, “eu estou aqui neste palco, esta noite, como um homem gay orgulhoso e eu espero que, um dia, todos possamos estar aqui como iguais.”

Ele está, evidentemente, equivocado.

Elton John, Dustin Lance Black, Howard Ashman e Scott Rudin todos foram homens que, quando aceitaram seus Oscars, já tinham se declarado gays. Além disso, John e Ashman ganharam o mesmo prêmio em 2007 por I Need to Wake Up, do filme Uma Verdade Inconveniente, mas pareceram ter sido esquecidos.

Para refrescar a memória do artista, Lance mandou uma direta daquelas no Twitter, além de escrever para Sam que conhecer a história LGBT é importante, porque homens e mulheres antes dele que o fizeram chegar até lá:

Sam ainda não comentou o desfalque.