RITA ORA: O que esperar do novo álbum da britânica?

Em meados desse ano o álbum ORA completará 5 anos desde seu lançamento. De lá pra cá, Rita Ora tentou entregar um novo material, porém não obteve sucesso, passando de uma das maiores promessas da música em 2012 para apenas uma cantora sem palavra nos 2 anos seguintes. O que algumas pessoas não sabem é que Rita enfrentou diversos problemas dentro da Roc Nation, gravadora do Jay-Z a qual descobriu e deu uma chance a cantora a quase 10 anos atrás.

Entender o que Rita Ora fez no seu primeiro disco, é fundamental para chegarmos ao que a cantora se tornou hoje. Após trabalhar por alguns anos em estúdio, Rita lançou seu álbum de estréia, o ORA, em 2012, cujo emplacou 3 singles em primeiro lugar no chart de singles do UK: Hot Right Now, R.I.P. e How We Do (Party). Além do excelente desempenho desses singles, Rita ainda conseguiu colocar os posteriores singles Shine Ya Light e Radioactive dentro do top 20. O disco também alcançou a primeira posição no UK Album Chart por uma semana no topo e mais 29 entre os 100 mais vendidos. O ORA atualmente é certificado como platina por mais de 500 mil cópias vendidas na Europa.

Durante a era, houveram boatos de relançamento do disco, porém, os mesmo indicaram que Rita decidiu adiar o relançamento que marcaria sua estréia em território americano.
Voltando ao estúdio nos anos seguintes, Rita Ora começou a trabalhar com Calvin Harris no seu segundo disco, e entre várias músicas, criaram o hit I Will Never Let You Down, que além de vender mais de 1,2 milhão de cópias mundialmente ainda rendeu o quarto #1 de Rita no UK e fazendo da cantora uma recordista no chart.

Mas nem tudo fluiu entre Rita e Calvin. Após um fim de namoro conturbado, Calvin Harris revogou os direitos de Rita sob I Will Never Let You Down, impedindo-a de divulgar a faixa no momento em que ela havia acabado de lançar no Estados Unidos. O peak da faixa na Hot 100 foi #77 até que a divulgação fosse abortada.
Além disso, Calvin pegou de volta faixas que havia produzido para o #RO2, forçando Rita a volta ao estúdio.

“Eu estava em um ponto da relação em que eu sentia que ele não poderia fazer nada errado. Eu achei que ele estivesse sempre ali para me proteger e ele nunca me orientaria de uma forma errada. Mas então I Will Never Let You Down saiu, e tudo começou ficar tão estranho. Eu não sei se foi porque eu misturei trabalho com minha vida pessoal, ou o quê.
Eu estava prestes a começar uma turnê e ele também estava viajando muito e em muitos países. Então não dá para fazer muita coisa quando você está longe do seu namorado. Eu realmente admiro as pessoas que mantêm namoros a distância. É um acordo incrível. Mas eu não consegui.”

– Rita Ora em entrevista à Marie Claire.

Diplo, Charli XCX, Ed Sheeran e DJ Mustard eram alguns dos compositores/produtores que encabeçavam o projeto do disco junto com Clavin Harris. O mesmo passou por diversas mudanças, mas antes disso, Rita chegou a registrar e apresentar algumas faixas em shows.

A Little More – usada no comercial do DKNY
Ain’t About To Stop – lançada no disco ‘Hit N’ Run: Phase One’ do Prince
Champagne Lights
Before You Came
Disco Fever
Get a Little Closer – foi cotada como segundo single após ‘I Will Never Let You Down’. Rita chegou a cantar a faixa em shows e na TV. Um remix oficial está disponível na internet.
Kingdom Come – apresentada em festivais.
Religion (feat. Wiz Khalifa) – apresentada na ‘Body On Me US Tour’.
Last Love
Out Of Love
Testosterone – anunciada por Rita durante o AMA 2014.
Touch The Sky – apresentada em festivais.
The Single Most Amazing
Us – apresentada na ‘Body On Me US Tour’. Composta pelo Ed Sheeran.
Unfair
Young Dreamers (feat. Macklemore)

Após voltar ao estúdio, Rita Ora trabalhou com outros produtores e compositores. Nessas sessões, saíram os singles Poison e Body On Me em parceria com Chris Brown. Porém, as coisa continuavam ruins para a cantora. O novo problema vinha da Roc Nation que não investia na divulgação dos singles citados. Rita Ora estava tendo que pagar para lançar seus próprio material e investir em divulgação. Body On Me chegou a ser lançada nos Estados Unidos, e mesmo com divulgação em programas de alto nível como o da Ellen Degeneres e o Good Morning America, amargou no bubbling under da Hot 100.
Rita Ora processou a gravadora e a gravadora processou a cantora de volta no valor de 2 milhões de dólares por rescisão contratual. Após alguns meses, ambos entraram em acordo e Rita foi finalmente liberada, porém, acabou deixando pra trás mais de 100 músicas gravadas, o que inclui TODAS as faixas citadas até aqui. Ou seja, não serão lançadas oficialmente.

Em meados do ano passado, Rita Ora assinou com a Atlantic Records, subsidiária da Warner Music Group e retornou ao estúdio para finalizar seu disco.
O projeto tomou uma nova forma, com novos produtores e compositores que vão desde Andrew Watt (Já trabalhou com Justin Bieber, Skrillex e Kygo), Diana Gordon (‘Sorry’ da Beyoncé), Jake Gosling (Já trabalhou com Paloma Faith e Ed Sheeran), MNDR (Trabalhou no EP Vroom Vroom da Charli, ‘Rubber Band Stacks’ da Brooke Candy), PartyNextDoor (Já trabalhou -muito- com o Drake) e Jin Jin (Trabalhou no debut album da Jess Glynne e no ‘All I Need’ da Foxes) até os ja conhecidos Stargate, Charli XCX, Natalia Kills/Teddy Sinclair e Meghan Trainor, a qual já foi revelado que enviou uma música à Rita chamada Sugar Daddy.

Rita chegou a revelar que gravou com orquestra e que poderíamos esperar “instrumentos reais” nas novas músicas. Além disso, mais três títulos foram revelados por ela em entrevista: Army Of One, I’m Not Afraid e Soul Survivor.

Outras faixas também foram registradas:
California Love
Can’t Stop Loving You
Cigarrette
Deny
Egyptian Cotton
(Every Woman Needs a) Superman
Fools Gold
Give It Back
Love Is Dangerous
One Too Many Times
Shy
Slow
Suicidal
Swagger
Things Can Only Get Better
Tonight
Waiting
Where Did The Ones Go

De acordo com Rita, o primeiro single do álbum finalmente será lançado em Fevereiro, porém ainda não se tem informações de que o single poderá ser a faixa Kiss Me que integra a trilha sonora do filme Cinquenta Tons Mais Escuros, o qual Rita atua. Kiss Me será lançada nas próximas semanas junto com a soundtrack do filme.


“É um renascimento. Não é sobre sofrimento ou algo assim. É sobre renascimento e ser livre e ter a liberdade de me expressar liricamente. Trabalhando em casa com amigos, com minha banda, e é um álbum realmente autêntico com música ao vivo.”
[A inspiração do álbum é] Londres! Ser do Reino Unido e ter esse amor pelo grime e o rap britânico, os Skeptas e os Giggs do mundo que nós temos representando nossa juventude, isso é muito importante para mim. Tem uma música chamada “I’m Not Afraid” que fala sobre tudo o que as pessoas pensam que eu fugi ou desisti. Tem uma música chamada “Soul Survivor”. Não é um álbum emotivo, este é um álbum de alegrias. É sobre se libertar.”

>>> Curta o PFBR no Facebook

>>> Agora no @oficialpfbr

Carregar mais tweets