“Me perdi na droga, meu transtorno afetivo bipolar piorou muito”, revela Matuê após ataques na internet

“Me perdi na droga, meu transtorno afetivo bipolar piorou muito”, revela Matuê após ataques na internet

Após o lançamento de “Máquina do Tempo” (álbum de Matuê que bateu recordes de lançamentos nacionais em 2020), uma nova era começou a surgir, porém com muitas críticas.

Nos últimos dias o cantor estava agindo de maneira enigmática pelas redes sociais, geralmente com filtros que remetiam a olhos cobertos de sangue, vídeo fazendo coleta de sangue e até mesmo venda de acessórios exclusivos com seu próprio sangue.

>>> Tropkillaz, Iza e Matuê divulgam o clipe em animação de “Quem Mandou Chamar”; assista

Apesar de muitos acreditarem que seria um marketing para uma nova era, por outro lado houveram ínumeras críticas sobre a maneira que a produtora do cantor, a 30praum, estava disponibilizando esses acessórios através de um site.

“Me perdi na droga, meu transtorno afetivo bipolar piorou muito”, revela Matuê após ataques na internet
Colar com sangue do cantor de trap Matuê

Além de acessórios como colar, que continha sangue de Matuê, havia junto um termo com oito tópicos, que resumidamente tratava-se de trocar sua alma pelos itens. “A coleta da alma precisará de aviso prévio e não poderá ser cancelada ou resgatada”, informa um dos tópicos do termo.

“Me perdi na droga, meu transtorno afetivo bipolar piorou muito”, revela Matuê após ataques na internet
Termos para adquirir os itens no site da 30praum

Ao mesmo tempo, no Spotify, as músicas de Matuê começaram ser vinculadas a vídeos com sangue escorrendo, dando dicas do que estaria por vir.

Inclusive teve publicidade do seu novo projeto ‘Vendo Sangue, Compro Almas” no metrô de São Paulo nas estações Luz, Pinheiros e Paulista.

Desde então o cantor de trap começou ser fortemente atacado na internet e, por sua vez, decidiu se manifestar sobre os ataques e explicar o sentido dessas táticas consideradas estranhas por muitos.

Na madrugada dessa segunda-feira (09) em seu Twitter, o cantor Matuê deixou claro que estava registrando todos os tipos de mensagens e comentários que envolviam homofobia e pedidos para que o cantor se matasse.

“Essa campanha de marketing do colar foi só uma forma da gente coletar os dados de milhares de pessoas pra gente promover a doação de sangue, ninguém ia perder alma nenhuma, só ia receber um e-mail da hora promovendo a doação nesse momento de COVID onde as doações estão em baixa”, explicou o Matuê.

O cantor ressaltou o quanto essa perseguição na internet debilitou a sua saúde, detalhando sintomas que remetem a depressão.

Segundo Matuê, por conta da sua saúde, ele irá cumprir os lançamentos previstos e dará um tempo da carreira, já que seu Transtorno Afetivo Bipolar teve pioras, refletindo também em sua saúde física.

Além dos ataques, por outro parte, houve preocupação por parte de fãs e apoiadores de Matuê, já que seu transtorno coloca-o em risco de vida, já que existe a possibilidade de lesão física por parte da pessoa e até mesmo casos de suicidio.

Apesar de expressar sua infeicidade, o cantor foi acusado de fazer marketing com toda essa história, relatando que durante três anos nunca mostrou suas fraquezas para ninguém e que sempre teve o intuito de motivar as pessoas.

“E antes de mais nada eu peço desculpas a todos que eu fiz sofrer pelo mal que eu tava sentindo”, finalizou o cantor.

>>> Matuê disponibiliza colar com seu sangue para venda e a moeda de troca é a alma de quem compra; confira

É importante ressaltarmos o quanto o modo como se critica pessoas ou atitudes podem interferir na saúde mental de alguém e, desejamos melhoras do Matuê em seu tratamento do transtorno, assim como nos solidarizamos com todas as pessoas que passam ou passaram por situações similares.

>>> Curta o PFBR no Facebook

Siga o PFBR no Twitter <<<