Max Martin abre o jogo sobre a produção de grandes hits em sua entrevista 'mais profunda' em 16 anos

O maior produtor de hits que você respeita. Britney Spears, Backstreet Boys, Celine Dion, Kelly Clarkson, Pink, Usher, Avril Lavigne, Christina Aguilera, Katy Perry, Justin Timberlake, Ariana Grande, Taylor Swift e outros grandes nomes do pop mundial têm em seus grandes hits algo em comum: Max Martin.

Após 16 anos, o produtor sueco finalmente concedeu uma entrevista mais aprofundada sobre sua carreira para a revista Di WEEKEND. O Portal Famosos Brasil traduziu algumas partes da matéria. Confira:

Receita para uma grande canção:
“Eu acho que uma grande música pop deve ser sentida quando você ouve. Você pode ouvir músicas que são tecnicamente grandes, músicas que marcam todas as caixas. Mas para uma canção ser sentida, você precisa de algo mais. É incrivelmente importante para mim que você se lembre de uma música logo após a primeira ou segunda vez que você ouve. Algo que ‘perfure’ você, algo que faz você se sentir: ‘Eu preciso ouvir essa música novamente’. Isso é fundamental. Algo que você quer de novo. E de novo”.

Exigente com os vocais de cada artista:
“Os vocais são sempre a minha principal preocupação. Como produtor, estou muito presente sempre que gravamos a faixa vocal. Alguns produtores deixar os técnicos lidar com essa parte, enquanto eles próprios relaxam no sofá. Mas eu gosto de estar lá, lidando com tudo no computador. Eu quero saber exatamente o que aconteceu e eu preciso ser capaz de lembrar tudo. Cantar envolve uma grande quantidade de psicologia. Se o artista não está tendo um grande dia ou acha tudo chato. Meu papel se torna o de um treinador. Tirando o melhor do artista. Ajudá-los a executar o seu melhor quando estamos em jogo. Trazê-los para fora de suas zonas de conforto. Para treiná-los um pouco, levá-los a experimentar coisas novas (…) Alguns artistas têm uma visão clara do que eles querem fazer, mas muitos são bastante nervosos, tem personalidades sensíveis. Muitos têm fobia do microfone. Pode parecer muito estranho ter fobia microfone quando você é um artista, mas acontece. Eu tenho que me imaginar em cada situação”.

Mudanças no cenário musical:
“Acabamos de sair de um ‘pântano’ no EDM. Nada errado com EDM, grandes canções saiu deste estilo, mas houve um período em que tudo tinha que ter um ritmo de 128 BPM e estar relacionado com DJ. Hoje em dia, não há esta tendência dominante entre as 40 melhores músicas, e eu realmente gosto disso. Um sucesso pode ser alguém cantando apenas com piano ou qualquer outra coisa. A próxima tendência? A música pop segue a evolução da sociedade em geral. Tudo se move mais rápido”.

Adaptar-se ao novo:
“A coisa toda envolvendo as boybands quase se transformou em uma queda no mercado de ações [ele se lembra de seu tempo com os Backstreet Boys] Então, houve um período em que pensamos que Pharrell e os outros vieram e arruinaram tudo para nós com suas batidas super legais. Passei muito tempo em Nova York e trabalhei com artistas que nunca chegaram a lugar algum. Então as coisas tomaram um novo rumo com [Kelly Clarkson] Since U Been Gone“.

Por que ele raramente dá entrevistas:
“Porque minha vida é muito mais fácil sem estar no centro das atenções. Eu também não estou nas redes sociais, não faço nada disso, encontro pessoas que têm tantos problemas relacionados a esse tipo de coisa: ‘As pessoas pensam isso ou aquilo sobre mim’. “Mas essas pessoas não terias esses problemas se eles, como eu, não tivessem lido algo em algum lugar. Quero me manter simples”.

A entrevista completa, em inglês, você lê aqui.

>>> Curta o PFBR no Facebook

Siga o PFBR no Twitter <<<