LINHA DO TEMPO: Entenda como R. Kelly conseguiu levar sua carreira de anos para um caminho sombrio, sem volta e que resultará no absoluto fim

Robert Sylvester Kelly, ou simplesmente, R.Kelly um dos maiores rappers já vistos, dezenas de hits, centenas de prêmios e milhões de cópias vendidas ao redor do mundo, mas todo esse prestígio escondeu por muito tempo uma face que assombrou diversas mulheres ao decorrer do tempo, como contou o documentário produzido pela Lifetime.

Acusado de estupro por dezenas de mulheres, R. Kelly viu sua carreira mudar da água para o vinho em questão de dias, logo após ir ao ar na TV americana o documentário produzido e filmado pela Liftime. Intitulado “Surviving R. Kelly”, trouxe uma série de seis episódios onde mulheres anonimas e famosas falam sobre momentos de terror que passaram com um dos maiores rappers da história. Mas para entender melhor o que motivou a emissora a lançar a série de curtas, é necessário voltar bem ao tempo, há mais de 20 anos, quando o rapper de 52 anos tinha 27 anos e que ainda sim, já era alvo de rumores envolvendo sua índole.

1994 – O casamento com uma menor de idade: Aaliyah

Um dos primeiros escândalos sexuais envolvendo R. Kelly foi seu casamento infundado com a falecida cantora de R&B Aaliyah. Em 1994 a cantora se casou com um rapper em uma cerimônia secreta, todo o tramite foi feito em um quarto de hotel em Illinois, Estados Unidos.

A certidão de casamento afirmava que Aaliayah tinha 18 anos, o que foi descoberto ser uma farsa dias após, na verdade a intérprete de “Try Again” tinha apenas 15 anos na época e o pior de tudo, o rapper sempre soube da verdade, como mostra um antigo vídeo de Kelly produzindo o álbum da jovem.

1999 – Ex-interna da Epic Records denuncia abuso sexual

Mais uma vítima que ganhou voz no documentário produzido pela Lifetime falou sobre suas experiências envolvendo R. Kelly. Tracy Sampson, ex-interna da gravadora Epic Records revelou que sofreu abuso sexual por parte do rapper, na época a mulher de 36 anos tinha apenas 16.

Sampson revelou que foi forçada a beija-lo e ter relações sexuais com o mesmo, em  entrevista concedida, a mulher contou os momentos de terror aos 16 anos:

Ele me perguntou, “posso te beijar” e eu respondi tipo, não? Então ele disse, “tudo bem então, me de um abraço. Quando eu abracei ele, ele me beijou a força. Eu não sabia o que era aquilo, se estava apaixonada, eu só não soube o que fazer, eu não sabia se era normal e pensei, será que é assim que adultos agem”?

A moça disse ainda que esse relacionamento acabou quando ela completou 18 anos, quando também a Epic decidiu processa-lo por abuso sexual, incluindo um ato onde Kelly forçou a jovem a fazer sexo oral em outra mulher. Como era de se esperar, o rapper negou todas as alegações, mas fechou um acordo com a moça de 250 mil dólares para que o assunto fosse esquecido.

2000 – Pai de Beyoncé se recusa a trabalhar com o rapper

Mesmo sempre tendo seu nome associado a escândalos sexuais, diversos artistas não negaram colaborações com R. Kelly, afinal logo após a morte do rapper Tupac, virou algo quase que normal acusações serem plantas contra homens negros nos Estados Unidos, mas para o pai de Beyoncé e agente das Destiny’s Child na época, os rumores não eram apenas rumores.

Em entrevista ao The Metro, Matthew Knowles revelou que proibiu as meninas do Destiny’s Child de gravarem com o rapper.

“Estava com a Tina (ex-esposa e mãe de Beyoncé) neste dia e o R.Kelly gostava de gravar pela madrugada e eu estranhei que no estúdio dele tinha uma suíte de gravação. Tinha também um clube ao lado, com mais ou menos 50 pessoas dançando. Naquela época, Kelly era gerenciado pela Sony e por um agente que prefiro não citar o nome e você era quase que forçado para que seus artistas gravasse com ele e ele não era nada barato. Entre custos de viagem e cache do R. Kelly, uma musica com ele chegava a custar mais que 100 mil dólares. 

Como agente das meninas eu rejeitei a música, até porque era uma música ruim, não foi só por causa da reputação dele, porque por volta de 1998 esses boatos já estavam presentes”.

10/janeiro 2019 – Investigações criminais são abertas contra R. Kelly

Após a divulgação do documentário produzido pela lifetime, as autoridades de algumas cidades decidiram tomar uma atitude, um recente relatório indicou que o escritório da promotoria distrital do condado de Fulton, Georgia, iniciou uma investigação de escala criminal conta o rapper. Além da investigação, o advogado da família de Joycelyn Savage, uma das meninas que ainda estavam com o cantor, também foi acionado pela investigador-chefe. O departamento de Illinois também está buscando vítimas para abrir outra investigação.

Ainda no mesmo dia, Lady Gaga se posiciona contra o rapper e inicia sem saber, processo de checkmate na carreira do mesmo

No mesmo dia em que a promotoria da Georgia decidiu investigar o rapper, Lady Gaga divulgou uma carta aberta falando sobre as acusações que Kelly vem sofrendo, afirmando que apoia todas as vítimas de abuso sexual, afirmando que iria retirar “Do What U Want”, single em parceria com o cantor, presente no álbum “ARTPOP” (2013) de todas as plataformas digitais.

Leia a carta aberta:

“Eu apoio essas mulheres 1000%, acredito nelas, sei que elas estão sofrendo e com dor, e sinto fortemente que as vozes delas deverão ser ouvidas e levadas seriamente. O que estou ouvindo sobre as alegações contra R. Kelly é absolutamente horrível e indefensável. Como uma vítima de abuso sexual eu mesma, eu fiz tanto a música quanto o clipe em um capítulo escuro da minha vida, minha intenção era criar algo extremamente desafiador e provocativo porque eu estava brava e ainda não tinha processado o trauma que ocorreu na minha própria vida. A música se chama ‘Do What U Want (With My Body)’, eu acho que é claro o quão especificamente transtornado meu pensamento estava naquela época.

Se eu pudesse voltar atrás e ter uma conversa com minha eu mais jovem eu falaria para ela ir para terapia desde então, então eu poderia entender o estado de confusão pós-traumática que eu estava – ou se a terapia não estava disponível para mim ou qualquer um nessa situação – procurar ajuda, e falar tão abertamente e honestamente o possível sobre o que nós temos passado. Eu não posso voltar atrás, mas eu posso seguir em frente e continuar apoiando mulheres, homens e pessoas de todas as identidades sexuais, de todas as raças, que são vítimas de abuso sexual. Eu tenho demonstrado minha posição nesse assunto e vários outros durante a minha carreira.

Eu compartilho isso não para fazer uma desculpa para mim mesmo, mas para explicar. Até acontecer com você, você não sabe como é (trecho da letra de Til’ It Happens To You’). Mas eu sei como é agora. Minha intenção é remover essa música do iTunes e plataformas de streaming e nunca vou trabalhar com ele de novo. Me desculpe, por meu julgamento pobre quando eu era jovem, e por não falar mais cedo. Amo vocês”.

12/janeiro 2019 -R. Kelly é internado com crises de pânico após exibição de documentário

Segundo o TMZ, R. Kelly foi visitado por diversas vezes por médicos. A grande quantidade de celebridades e do público geral acreditando nas acusações, fizeram com que os ataques de pânico do rapper tenham sido muito graves.

Ainda de acordo com o TMZ, o cantor têm consciência de que grande parte das pessoas não estão a seu favor, fazendo com que R. Kelly não conseguisse sequer comemorar seu aniversário,  que aconteceu no último dia 08.

15/janeiro 2019 -Celine Dion exige que sua canção com R. Kelly seja retirada das plataformas

Após Lady Gaga decidir retirar o single “Do What U Want”, canção com colaboração de Kelly das plataformas, foi a vez de Celine Dion também se posicionar contra o rapaz. Segundo o TMZ, “I’m Your Angel” da intérprete de “Ashes”, com R. Kelly, lançada em 1998 e atingindo o #1 naquela época, recebeu uma solicitação para que fosse retirada imediatamente da plataforma de venda. Tendo seu videoclipe também retirado do YouTube.

No mesmo dia, Chance The Rapper também retira colaboração com rapper das plataformas digitais

Chance the Rapper foi outro artista que também abandonou relações com Robert e até chegou a gravar um depoimento para a série de episódios que expuseram os podres de R. Kelly. No Twitter, Chance falou abertamente sobre sua relação com o rapper:

“A verdade é que qualquer um de nós que já ignorou as histórias sobre o R. Kelly ou acreditou que o sistema estava atacando/armando contra ele. Peço desculpa a todas as vítimas dele por trabalhar com ele e por demorar tanto para falar sobre isso”.

Minutos após decisão de Chance, representantes das Pussycat Dolls também retiram single com Kelly do ar

Os representantes das meninas do The Pussycat Dolls se organizando para retirar das plataformas digitais a canção “Out of This Club”, faixa produzida por R. Kelly e presente no álbum “Doll Domination”. O grupo endorsou ainda mais a campanha #MuteRKelly, hashtag que visou incentivar as pessoas a apagarem suas faixas que tinham produção ou vocais de Kelly.

16/janeiro 2019 – Ciara manda “Promises” ser retirada das plataformas

Segundo o TMZ, Ciara entrou com um pedido junto a Sony Music para que a faixa “Promise” também fosse retirada dos catálogos do mundo inteiro. Vale lembrar que artistas como Ja Rule, Lil Jon, Twista, Rick Ross, Justin Bieber, Chris Brown e outros também já realizaram feats com o rapper.

16/janeiro 2019 – Nome de Jay Z é associado ao de R. Kelly em abusos

Uma entrevista do rapper Nas para a Wendy Williams em 2002, voltou a ser compartilhada pela rede. A matéria foi feita logo após uma fita de R. Kelly abusando sexualmente de uma garota menor de idade vazar para o público.

Nas revelou para Wendy que Jay-Z estava ciente dos erros de R. Kelly:

 “Eu podia ter mostrado o vídeo do R. Kelly que todo mundo anda falando e fazer graça sobre isso ou mostrar fotos do Jay-Z saindo do lugar. Você não pode me dizer que Jay não viu uma garota de 14 anos entrar no estúdio e sentar no colo de R. Kelly”.

O rapper continuou, “Você vai me dizer que ele não viu nenhuma garota de 14 anos chegar à vizinhança?” Jay Z, que tem dois álbuns com o rapper nunca se pronunciou sobre nenhuma das polêmicas. Vale lembrar que na época o interprete de “APESHIT” ainda não era casado com sua atual esposa, a cantora Beyoncé.

18/ janeiro 2019 – Contrato de R.Kelly com a RCA Records fica insustentável e chega ao fim

Depois de vários artistas se manifestarem e até retirarem músicas com participação do cantor das plataformas digitais, agora foi a vez da gravadora dele, a RCA Records, dispensá-lo.

Segundo a Billboard, Kelly e a Sony Music chegaram em um acordo e ele já não aparece mais no painel de artistas no site da RCA. Ele estava com a Sony desde o início da sua carreira, nos anos 90, e na subsidiária, desde 2012.

Mesmo com o fim do contrato, as músicas antigas de R. Kelly seguirão normalmente em todas as plataformas digitais.

E agora? Como fica o quadro de R. Kelly perante a justiça americana?

É importante ressaltar que em todos os processos que R. Kelly já sofreu devido ao mesmo tema, o rapper conseguiu se livrar de todos, isso graças a falta de provas sólidas que pudessem comprometer o rapaz. É provável que agora, o rapper seja novamente acusado criminalmente pelos crimes de abuso sexual, mas devido a maioria dos casos serem antigos e como conseqüência, terem prescrevido em termos jurídicos, é provável que R. Kelly não receba maiores punições pelos crimes denunciados pelas vítimas, uma vez que não há provas físicas, como por exemplo, exames que comprovem material genético, como, sêmen, cabelo e outros tipos de substâncias que pudessem comprovar tais abusos.

A única punição a nível que pudesse conformar as vítimas certamente foi aplicada, é inegável que Robert perdeu todo seu grande parte de seu prestígio como artista nos Estados Unidos, mas ainda há quem esteja ao lado dele, como o rapper French Montana e a rapper Remy Ma.

As primeiras sanções jurídicas envolvendo Kelly deverão acontecer nas próximas semanas.

 

>>> Curta o PFBR no Facebook

Siga o PFBR no Twitter <<<