Katy Perry confirma crítica social em novo single "Chained To The Rhythm" e inspiração no livro "1984" de George Orwell

Com o lançamento do novo single da Katy Perry, muitos começaram a questionar se a música não poderia ter uma crítica social através dos recentes acontecimentos dos Estados Unidos, como a eleição do conservador Donald Trump à presidência do país.

Os fãs tentaram encaixar as peças desse “quebra-cabeça” e a discussão continua na internet.

Com o lançamento do lyric video nesta madrugada, tudo ficou mais claro. Na produção, um rato – ou hamster – que assiste outro ratinho passivamente enquanto mãos preparam comida para o animal, que não reage, mas acata passivamente tudo o que acontece ao seu redor, com controle dessas mãos.

Daí que já montaram a crítica social por trás disso:

E como se já não bastasse, Katy Perry acabou confirmado em resposta aos fãs que a canção traz sim uma reflexão sobre o governo norte-americano.

Questionada por um Katycat sobre o nome do ratinho que aparece no vídeo letrado, ela o chamou de Mr. Parsons. Curiosamente, é o nome de um dos personagens do famoso livro “1984” de George Orwell, que fala sobre totalitarismo, hipocrisia do governo e a passividade do público em meio a tudo que acontecia ao redor, como fantoches de uma sociedade que pensa cada vez menos, dominada pelo Estado, onde tudo é feito coletivamente, mas cada qual vive sozinho.

O senhor Parsons é justamente o modelo perfeito de cidadão, no livro. Aquele que não condena, questiona ou vai contra as decisões do chamado na obra de “Grande Irmão”, aquele que observa tudo atentamente e controla a vida das pessoas.

Ninguém escapa à vigilância do “Grande Irmão”, a mais famosa personificação literária de um poder cínico e cruel ao infinito, além de vazio de sentido histórico.

Fã: “Estou surpresa porque você não deu nome ao hamster Katy Perry”

Katy: “Mr. Parsons é de um famoso e popular livro…”

>>> Curta o PFBR no Facebook

>>> Agora no @oficialpfbr

Carregar mais tweets