Há cinco anos, Lana Del Rey lançava seu terceiro álbum, "Ultraviolence"

Ultraviolence” chegou ao mercado em 13 de julho de 2014, dois anos após o estrondoso e aclamado “Born To Die“. Mesmo tendo afirmado que não pretendia lançar outro trabalho em grandes companhias, Lana Del Rey voltou atrás e entregou um álbum cru e avassalador. “Ultraviolence” é uma batalha entre a mulher e seus desejos.

Lançado dois meses antes, “West Coast“, carro-chefe do trabalho, uma música lenta, com elementos de rock midtempo, mostrava a nova direção buscada pela artista. O álbum é composto por onze faixas, na versão normal, entre elas “Shades of Cool“, “Ultraviolence” e “Brooklyn Baby“, que também foram singles.A maioria das faixas são produzidas por Dan Auerbach, vocalista do The Black Keys.

“Cada refrão ‘clica’, as melodias são uniformemente belas, e elas sobem e descem para melhor demonstrar a maior confianção de Del Rey em sua voz.Tudo é tão bem feito que o fato do álbum todo continuar no mesmo ritmo sonolento, pouco importa”. – The Guardian

As críticas ao álbum são geralmente favoráveis, alcançando uma nota 74 no Metacritic. Comercialmente, o álbum se saiu muito bem, tendo debutado em #1 na Billboard 200, com 182 mil cópias vendidas. É a melhor semana de vendas da carreira de Lana Del Rey. O álbum atingiu, também, a posição #43 na parada de final de ano dos mais vendidos da Billboard. “Ultraviolence” recebeu certificado de Ouro da RIAA, por 500+ mil cópias comercializadas.

Ouça o “Ultraviolence” no Spotify:

http://5jc.0a9.myftpupload.com/os-albuns-femininos-com-mais-tempo-na-billboard-200-nesta-decada/

 

 

 

>>> Curta o PFBR no Facebook

>>> Agora no @oficialpfbr

Carregar mais tweets