Em primeiro comício de campanha, Kanye West ataca Harriet Tubman, marco feminino da história negra dos EUA

Kanye West está cheio de coisas para falar e ele quer ser ouvido, tanto que se candidatou à presidência dos Estados Unidos da America, representando o partido “BDY” e essa campanha promete não deixar pedra sob pedra.

Na tarde de hoje (19) Kanye West realizou seu primeiro comício como candidato à presidente e claro, não poderia faltar polêmicas para seu nome explodir nas redes sociais. Após anunciar que sue novo álbum, “Donda”, será lançado nesta sexta-feira (24), Kanye não poupou palavras em seu discurso e até a ativista negra considerada como marco na história da luta pelo direito dos negros nos Estados Unidos, Harriet Tubman, entrou na mira do rapper.

Criticado anteriormente por dizer que negros escolheram ser escravizados por não se rebelarem, Kanye disparou que a ativista não fez nada para libertar os negros, apenas conseguiu que eles continuassem trabalhando para os brancos.

“Harriet Tubman nunca realmente libertou os escravos, ela apenas os mandou trabalhar para outras pessoas brancas.”

Harriet Tubman nasceu entre o sudeste e o noroeste americano, na década de 1820. Foi escrava aos seis anos começou a trabalhar como servente doméstica, viu suas irmãs serem vendidas, os pais idosos trabalharem como escravos e carregou por toda a vida marcas físicas da escravidão, como cicatrizes deixadas pelo açoitamento,além de ter ficado permanentemente deficiente após ter levado um golpe na cabeça por um feitor. Ela estampa as notas de U$$ 20 em território americano.