Em entrevista à Elle, Miley Cyrus fala sobre "Old Town Road" e sua mensagem política

Miley Cyrus é o grande destaque da edição de agosto da revista Elle norte-americana. A cantora deu uma longa e reveladora entrevista à publicação, falando sobre sua vida pessoal, relacionamento, sexualidade, trabalhos futuros, entre outros.

Direta, Miley Cyrus fala sobre "Black Mirror": "Ashley O sou eu. E ainda me sinto assim às vezes"

Em um dos momentos da conversa, Miley fala sobre o sucesso “Old Town Road“, de Lil Nas X, e como seu pai concordou em fazer parte da canção, além de falar da importância política da faixa. Confira:

“Meu pai e eu estávamos almoçando, e eu estava explicando ‘Old Town Road’ a ele. Essa música é o melhor de dois mundos, de uma maneira que ela soa incrível no rádio – é grudenta, une as pessoas. Mas também é a por** de uma afirmação política”.

A cantora ainda comentou o fato de seu pai ter aceitado participar do remix, o que legitimou a música como sendo country, depois de toda a treta envolvendo a Billboard:

“Meu pai não gosta que ninguém diga não’ a ele. Ele ama aquilo que é menosprezado e sempre foi dessa forma. Ele prefere fazer o que é certo e perder algumas vezes do que trapacear e ganhar. E essa sempre fui eu também. Eu prefiro falhar do que trapacear. Eu tenho uma nova música chamada ‘Bad Karma’, mas não existe carma. Há apenas causa e efeito. De outra forma, Donald Trump não seria presidente. Eu não acredito que cada um tenha o que merece. Tudo é causa e efeito. Se você tem muito dinheiro e você fez um monte de coisa ruim, você vai vencer. Não quer dizer que em algum ponto alguém não vá te derrubar. Mas eu não acredito que todo mundo tenha o que merece. Eu conheci um monte de gente maravilhosa através da Happy Hippie [ fundação mantida por Miley que ajuda desabrigados, comunidade LGBTQ+ e outras populações vulneráveis] que vivem nas ruas – artistas que são extremamente talentosos que nunca tiveram uma pausa. Eu sei que a por** do carma não é real”.

Miley Cyrus fala sobre seu casamento: "É uma relação única. Não acho que as pessoas entenderiam"