Em debate com Freixo, Monark discorda da necessidade de “Reparação Histórica” e internet reage

Em debate com Freixo, Monark discorda da necessidade de “Reparação Histórica” e internet reage

Nessa última segunda-feira (04) em entrevista para o “Flow Podcast”, apresentado pelo Monark (Bruno Aiub) e Igor Coelho, Marcelo Freixo foi convidado para debater temas sensíveis como reparação histórica, legalização da maconha e milicia carioca.

Em entrevista era totalmente notório a oposição de ideias entre Monark e Freixo e, conforme foi se estendendo o podcast, os ânimos iam aumentando, gerando debates mais calorosos.

O episódio de número “476” em que você pode assistir na integra através do canal do youtube “Flow Podcast”, entrou nem um dos assuntos mais comentados do Twitter nessa terça-feira (05).

O momento em que deu abertura a uma discussão mais calorosa foi quando um ouvinte/telespectador do podcast explanou ao Marcelo Freixo, deputado federal pelo Rio de Janeiro:

“Voltando a questão das cotas, concordo com o Monark sobre as cotas por renda e não por questões raciais. Veja, existem brancos pobres e negros ricos também, mesmo que minoria. Tenho medo de que uma política de cotas raciais pode piorar mais o racismo do que resolver”

>>> Apresentador Spartakus alega racismo em abordagem policial: “Chegaram com a arma na minha cara”

Essa reafirmação do seguidor a opinião de Monark resultou em Marcelo Freixo relembrando sobre a escravidão de trezentos anos no Brasil e acrescentando sobre a questão do poder de fala.

“Nós não podemos ao longo da nossa vida que não foi uma passagem escravocrata, decidir”, explicou Freixo.
“Po, voce tá falando que dentro da sociedade as pessoas que sofreram lá atrás tem o poder de decidir tudo que vai aconte…”, respondeu Monark contrapondo ao mesmo tempo em que titubeava.

Freixo inteirou dizendo que não, o que ele estava tentando passar é haver sim um problema em que a República não resolveu, sendo a escravidão e, que concordava em um ponto com o Monark em existir cotas por renda, que seria resumidamente realocar pessoas sem condições financeiras em vários setores sociais, assim como acontece com cotas raciais.

“Mas independente das cotas de renda, voce precisa ter uma política de cotas pra negros por uma questão de reparação histórica fundamental”, argumentou Freixo.

Em seguida, descontente e mostrando sua total reprovação, Monark respondeu que a questão de cotas raciais, na verdade é uma ferramenta política usada por pessoas que não estão realmente preocupadas, que só querem usar esses sentimentos em prol de si mesma.

Ainda, numa busca de informar e colocar conhecimento para o entrevistador, Freixo deu a oportunidade de Monark ter acesso as estatísticas e resultados de políticas de cotas raciais que funcionaram e foram ministradas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.

>>> Justin Bieber anuncia coleção de roupas contra o racismo com 100% dos lucros para empreendedores negros

“As pessoas atingiram objetivos, isso mudou a realidade social. Mudou a vida das pessoas, a vida do lugar em que elas vivem e o desempenho estudantil daquelas pessoas”, explicou Freixo e acrescentando que a política de cotas não é uma teoria, é algo que foi estudado e comprovado a eficácia.

Relutando, Monark opinou que pelas leis e políticas de cotas raciais, isso seria a mesma coisa que reconhecer que existe uma divisão racial.

“A cota não soluciona porra nenhuma”, finalizou Monark.

Já exausto, Freixo deu uma solução para o debate em que ambos deviam tirar essa dúvida com pessoas que estão realmente inseridas dentro da desigualdade racial, citando Silvio Almeida, advogado, filosofo e professor universitário, conhecido pelas suas obras que envolve políticas, direitos e racismo estrutural.

Em debate com Freixo, Monark discorda da necessidade de “Reparação Histórica” e internet reage
Silvio Luiz de Almeida (São Paulo17 de agosto de 1976) é um advogadofilósofo e professor universitário. É autor dos livros “Racismo Estrutural ” (Polén, 2019)[2] ,”Sartre: Direito e Política” (Boitempo, 2016)[1] e “O Direito no Jovem Lukács: A Filosofia do Direito em História e Consciência” (Alfa-Ômega, 2006).


Após esse longo debate a internet começou reagir sobre a falta de conhecimento do Monark e sobre como uma pessoa através do achismo tenta fazer sua ideia sobrepor a estudos e estatísticas. Confira abaixo algumas reações:


E voce, é a favor ou não da reparação histórica?


>>> Curta o PFBR no Facebook

Siga o PFBR no Twitter <<<