Com "Nightmare", Halsey prova ser um verdadeiro pesadelo para o machismo

Não há dúvidas de que “Without Me” se tornou um dos melhores momentos da carreira de Halsey.  Com aproximadamente oito meses desde seu lançamento, o single já deixou sua marca em paradas musicais, rádios, plataformas de streaming e no coração dos fãs.

Devido a esse enorme sucesso, muito se especulou sobre qual seria o próximo passo da cantora estadunidense, que saciou a curiosidade do público ao divulgar “Nightmare”, sua nova música de trabalho, no último dia 17. Acompanhada de uma letra poderosa e de um clipe que faz jus à mensagem principal da canção, Ashley não mediu esforços para lutar pelo que acredita e se opor, mais uma vez, ao machismo instalado em nossa sociedade.

Para começar, é de extrema importância que deixemos clara a dualidade carregada já no título da faixa. Com “Nightmare”, Halsey indica não está disposta a atender a expectativas de um mundo que ainda é dominado por homens, ao mesmo tempo que destaca as diversas experiências detestáveis que, infelizmente, foram vividas por ela e tantas outras mulheres ao redor do mundo. Para ela, um pesadelo não é, necessariamente, algo ruim.

Nos primeiros segundos da música, notamos que os versos cantados pela cantora são, na verdade, uma oração já bastante conhecida. Com essa escolha, Ashley procura construir uma atmosfera de paz, com o intuito de corrompê-la logo em seguida. Tal atitude pode ser compreendida como um “choque de realidade” para o público que ainda não percebeu o quão dura e exaustiva pode ser a luta das mulheres por respeito e dignidade.

Mesmo que o conceito “pesadelo” seja facilmente relacionado ao imaginário humano, Halsey o deixa mais próximo da realidade com o objetivo de demonstrar que muito daquilo que vemos acontecer no mundo é tão surreal que, às vezes, chega a ser difícil de acreditar.

View this post on Instagram

“little” lady….. NIGHTMARE 5.17

A post shared by halsey (@iamhalsey) on

Ao entoar o refrão pela primeira vez, vemos a cantora rodeada por mulheres, em uma espécie de festa que está sendo promovida nas ruas de uma cidade aparentemente abandonada. “Eu mantenho uma lista de toda a destruição em minha vida / Preciso identificar a arma em minha mente / Eles falam besteiras, mas eu amo todas as vezes que fazem isso / E eu percebo…” são versos poderosos o suficiente para revelar que Ashley está farta de todas as injustiças que as mulheres vivem. Por isso, ela se propõe a utilizar sua arma poderosa para acabar com a suposta “paz” que reina no mundo: suas ideias. Enquanto isso, diversas pombas brancas voam pelo céu, aparentemente com medo da tempestade que está a caminho.

Nas cenas seguintes, somos apresentados à desconstrução de diversos padrões ligados à feminilidade, impostos pela sociedade ao longo de décadas. Ao invés de negar seu lado promíscuo, a cantora aparece em um quarto repleto de espelhos, enquanto sensualiza para o público. Se as mulheres são ensinadas a usarem vestidos, Halsey aposta em ternos e calças para ela e suas amigas. Por fim, há ainda a referências às cirurgias plásticas, enfatizadas pelo trecho “Apertei minha pele entre meus dedos / E desejei cortar algumas partes com uma tesoura”.

View this post on Instagram

polite 👼🏼👼🏽 @caradelevingne

A post shared by halsey (@iamhalsey) on

Cansada de ouvir pessoas pedindo para que ela sorria, Ashley chega ao foco de seu single, no qual deixa bem claro que somente fará aquilo que tiver vontade, uma vez que não deve nada a ninguém, principalmente aos homens. No clipe, vemos cenas de mulheres mostrando seus corpos foram do padrão e a placa que carrega uma mensagem bastante efetiva: “Sorria você, desgraçado”.

http://5jc.0a9.myftpupload.com/billboard-abre-votacao-para-a-musica-do-verao-2019-confira-os-concorrentes-e-vote/

Se você achou que a sessão de empoderamento já estava chegando ao fim, pense novamente! Após satirizar a ironizar  a imagem da mulher ideal, Halsey dá mais detalhes sobre os motivos por trás de sua atitude: “Não sorrirei, mas mostrarei meus dentes / Permitirei que você fale somente se me deixar respirar / Já fui educada, mas não serei eliminada / Por ter deixado um homem me dizer o que devo fazer com a minha cama”. Tais versos são cantados enquanto a cantora é apresentada como uma empresária de muito sucesso, com poder suficiente para fazer com que a revolução ocorra de qualquer forma, pois ela já está cansada e com raiva, assim como muitas outras mulheres.

Na sequência, Ashley optou por simular uma briga de rua satírica entre duas mulheres, já que as envolvidas estão nitidamente debochando da forma como a sociedade sempre coloca indivíduos do sexo feminino uns contra os outros. Além disso, também são exibidas diversas garotas em frente a um ônibus escolar, representando mudanças na forma como serão educadas de agora em diante, para que não caiam nas mesmas armadilhas do passado.

Enquanto nos aproximamos do fim, em meio a flashes de todas as cenas já descritas nesta análise, continuamos sendo apresentados a visuais impecáveis, embalados por versos repletos de significado como “Alguém como eu pode ser um verdadeiro pesadelo, completamente consciente / Mas estou feliz por ser assim, então me poupe de suas orações”. Aqui, é possível que Halsey tenha optado por representar uma aranha da espécie viúva-negra, conhecida por matar e se alimentar do macho após o sexo. Acho que a mensagem ficou bem clara, não é mesmo?

O último destaque vai para as cenas em que diversas mulheres carregam faixas a placas de protesto pelas ruas, enquanto a cantora também aparece posando para suas mugshots, ou seja, fotos tiradas na delegacia sempre que um meliante é preso. Diante disso, concluímos que Ashley está disposta a ir até o fim para conquistar aquilo que almeja, independentemente das consequências.

E você, o que achou do novo material lançado pela Halsey?

>>> Curta o PFBR no Facebook

Siga o PFBR no Twitter <<<