Após afastamento, ex-presidente do Grammy, Deborah Dugan, acusa a academia de assédio

Afastada há poucos dias do Grammy Awards com alegações de má conduta, a ex-presidente do Grammy, Deborah Dugan apresentou queixas referentes a maneira que a academia trabalha.

    Levantando acusações de discriminação e assédio sexual, Deborah revelou que foi afastada em meio a alegações de bullying no seu local de trabalho e ainda revelou a manipulação por parte do conselho da academia no processo de indicações a premiação.

    Bryan Freedman, advogado de Dugan, revelou que sua cliente foi restringida por um extenso contrato e ameaças legais. e ainda afirma que Deborah contou ao RH que havia sido assediada por Joel Katz, advogado de música e consultor geral da academia.

    Contudo, Deborah chegou a notificar a academia que apresentaria uma reivindicação, mas a organização desistiu do primeiro acordo apresentado, de modo que ela recebeu uma nova oferta com uma hora antes dela ser afastada.

    No entanto, Duga, afirma que o motivo maior de seu afastamento foi após ela expressar seu desejo de entrar com uma ação legal contra os membros do conselho. Ela ainda diz que Harvey Mason Jr., presidente interino estaria fazendo difamações sobre ele.

    >>> Curta o PFBR no Facebook

    >>> Agora no @oficialpfbr

    Carregar mais tweets