"A gravadora e o pessoal da rádio duvidaram que seria um hit", diz produtor de "Havana" sobre smash de Camila Cabello

Não foi fácil para Camila Cabello convencer os executivos de sua gravadora a lançarem “Havana” como sua aposta para o segundo semestre do ano passado.

A artista, que já estava se preocupando com o desempenho morno de “Crying In The Club” – seu primeiro single oficial – ainda estava experimentando seu público, precoce quanto a sua carreira solo e em grande maioria, na época, vindo do Fifth Harmony, grupo no qual se separou em dezembro de 2016.

http://5jc.0a9.myftpupload.com/havana-se-iguala-sucessos-memoraveis-como-california-gurls-e-we-found-love-nas-radios-pop-americanas/

Porém, a música, aos poucos, começou a encantar não só nos norte-americanos, como também o público mundial. “Havana” alcançou #2 na parada mais importante dos EUA, estabilizou e ainda permanece em #1 por mais de 40 dias no topo das canções mais vendidas de todo o planeta, além de ser um verdadeiro smash nas rádios e elogiada até pelo ex-presidente Barack Obama

http://5jc.0a9.myftpupload.com/somethingsgottagive-e-inthedark-camila-cabello-divulga-mais-previas-de-musicas-de-seu-album-de-estreia/

Com mais um recorde – a canção de uma artista feminina que figurou por mais tempo o topo na parada pop da Billboard em cinco anos – Frank Dukes, o produtor da canção, usou sua conta no Twitter para comentar mais um recorde, revelando que a princípio, a gravadora de Camila e os profissionais de rádio duvidaram que a canção fosse ser um hit quando quiseram lançá-la.

“A gravadora e o pessoal da rádio disseram que a música não seria um hit quando tentamos lançá-la pela primeira vez (risos).”

O grande sucesso da canção fez com que o primeiro disco de Camila antes intitulado ‘The Hurting. The Healing. The Loving” fosse reestruturado e renomeado como apenas “CAMILA”, com toques mais latinos como a faixa com participação de Young Thug. 

“CAMILA” será finalmente lançado no dia 12 de janeiro.